Conteúdo Principal
Publicado em: 19/06/2024 - 13h41 Atualizado em: 19/06/2024 - 13h58 Tags: Mulher; homicídio; marido

Mulher é condenada a 30 anos por matar marido de 75 anos, em João Pessoa

Imagem do Fórum Criminal de João Pessoa
Fórum Criminal de João Pessoa

O juiz titular do 1º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, Antônio Gonçalves Ribeiro Júnior, condenou a ré Gleissy Ranielly da Silva a uma pena de 30 anos de reclusão, em regime fechado, pelo homicídio do próprio marido, o policial civil aposentado Luiz Abrantes de Queiroz, de 75 anos. O julgamento, que teve início na manhã de terça-feira (18), só terminou às 3h desta quarta-feira (19).

De acordo com os autos, o crime aconteceu em junho de 2022, dentro da casa da vítima, no Bairro de Castelo Branco, na Capital. Além do crime de homicídio qualificado, a ré ainda foi condenada por furto.

Antônio Gonçalves Ribeiro Júnior decidiu que as penas devem ser cumpridas cumulativamente e não foi dado à ré o direito de recorrer em liberdade. “Assim, primando pela necessidade de garantia de aplicação da lei penal e diante da necessidade de manter a ordem pública e, ainda, ao quantitativo da pena imposta, nego-lhe direito de aguardar o trânsito em liberdade, determinando o imediato cumprimento da pena imposta, recomendando-a no presídio em que se encontra ou noutro a critério do juízo das execuções penais”, determinou o magistrado.

Após regular votação na sala secreta, os jurados decidiram, por maioria de votos, condenar a acusada Gleissy Ranielly Santos da Silva, na forma pronunciada, à exceção do crime de corrupção de menores. Também por maioria dos votos, os jurados decidiram absolver os outros réus, Adrielly Martins Silva Pires e Francinaldo Alves da Silva, em relação ao crime de homicídio. Contudo, Francinaldo foi condenado a dois anos e quatro meses de prisão, em regime aberto, pelo crime de corrupção de menores, por ter levado o filho, menor de 18 anos, para participar da ação criminosa.

Por fim, Adrielly Martins Silva Pires, que é prima da viúva e trabalhava como babá do casal, foi absolvida de todos os crimes. Durante as investigações ficou constatado que Andrielly nem mesmo estava na casa, no momento do crime.

 

Por Fernando Patriota

 

GECOM - Gerência de Comunicação
  • Email: comunicacao@tjpb.jus.br
  • Telefone: (83) 3216-1611