Conteúdo Principal
Publicado em: 22/07/2022 - 12h23 Tags: Mutirão de Interdição

Mutirão de Interdição na Comarca de Mamanguape termina com 93 sentenças prolatadas em quatro dias

Um total de 124 processos pautados e 93 sentenças prolatadas, sendo 77 de procedência, quatro de improcedência e 12 de extinção sem julgamento do mérito (desistências e óbitos dos interditandos), este foi o saldo dos quatro dias de realização do Mutirão de Interdição da 3ª Vara Mista da Comarca de Mamanguape, que terminou nesta quinta-feira (21). O esforço concentrado, que teve início no último dia 18 (segunda), vai em sua terceira edição, envolvendo a realização de audiências e perícias relacionadas à ações de interdição. 

A titular da unidade judiciária, juíza Elza Bezerra da Silva Pedrosa avaliou o resultado como muito proveitoso, e uma prestação de serviço do Poder Judiciário estadual de extrema relevância. Segundo pontuou, esta terceira edição foi bem mais proveitosa, tendo em vista que, na implantação do esforço concentrado, na primeira vez que realizaram, por conta da inovação, houve dificuldade na organização, nas etapas seguintes os trabalhos fluíram com tranquilidade.

A magistrada Elza Bezerra observou, ainda, a participação e colaboração de todos, a exemplo dos colaboradores, os Municípios parceiros e os advogados. Ela evidenciou, também, a ocorrência de muitas situações humanitárias, necessitando de um atendimento célere, para pessoas com doenças graves, precisando com urgência de uma curatela, outros acamados que não puderam se deslocar, sendo representados pelos curadores, acompanhados dos respectivos procuradores, com apresentação de laudos e fotos.

“É uma demonstração do que o esforço concentrado resulta na celeridade desses processos, dessas pessoas que anseiam. Elas demonstraram estarem extremamente satisfeitas por terem resolvido, em apenas um dia, todo o processo, que na sua tramitação normal levaria meses para ser concluído. Certamente outros virão, pois são demandas de natureza especial”, comentou a magistrada Elza Bezerra, acrescentando que, também, foram beneficiados os advogados e a Justiça, por entregar uma prestação jurisdicional de forma rápida.

Para o assessor da 3ª Vara Mista de Mamanguape, Eduardo de Carvalho Pinheiro o resultado foi satisfatório para atender à necessidade das partes. “Sobretudo por considerar que são pessoas com deficiência, bem como, contribuiu para o desempenho da vara, possibilitando o julgamento de um bom número de processos”, enfatizou.

As prefeituras parceiras disponibilizaram médicos, assistentes sociais para realização das perícias, bem como, ajudaram no deslocamento das pessoas que não puderam ou não tinham condições de se locomoverem até a sede do Fórum. Atuaram, também, no esforço concentrado, a promotora de Justiça, Carmem Eleonora da Silva Perazzo e a assessora Elisa Barbosa Machado.

Por Lila Santos

GECOM - Gerência de Comunicação
  • Email: comunicacao@tjpb.jus.br
  • Telefone: (83) 3216-1611